Menino confessa ter matado ‘dono de biqueira’

Revólver e munições estavam enterradas em um matagal

Um adolescente, de 14 anos, magro e com estatura de 1,50 metros, confessou o assassinato do sorocabano Edson Moreira de Freitas, de 37 anos, ocorrido na noite do dia 19 de julho, na Vila Moraes. A vítima, segundo a Polícia Civil, era responsável por uma biqueira (lugar onde se vende drogas) no referido bairro. Durante o depoimento, o garoto chegou a dizer que não se arrependeu do crime. Ele matou o comparsa com dois tiros. A suspeita é de que o crime tenha sido acerto de contas do tráfico. O adolescente foi encaminhado à uma unidade da Fundação Casa, em São Paulo, onde ficará internado provisoriamente por 45 dias até sair a sentença final.

Segundo a equipe de investigadores da Polícia Civil, havia suspeitas, através de denúncias anônimas, de que dois irmãos menores de idade poderiam ter sido os responsáveis pela morte de Edson. Por conta disso, os agentes detiveram a dupla na tarde do dia 25 de julho, na Vila Moraes, e os conduziram até à delegacia. No início do interrogatório, os acusados negaram o crime. Contudo, depois de algumas evidências apresentadas pelos investigadores, o irmão caçula confessou o delito. “Matei e não me arrependo”, teria dito.

O garoto confidenciou que ele e seu irmão, de 16 anos, trabalhavam na biqueira comandada por Edson. Eles eram os responsáveis em comercializar os entorpecentes. Porém, segundo o adolescente, as drogas vendidas não estavam agradando à clientela, devido as misturas de outras substâncias, e também o dono da biqueira não estava pagando em dia os irmãos. No entanto, a mulher da vítima havia dito aos policiais que o seu marido veio a Piedade no dia do crime para cobrar dos dois uma dívida da venda de entorpecentes.

O adolescente não contou com detalhes o que motivou a discussão e o assassinato de Edson. Disse apenas, de uma maneira fria e sem remorsos, que estava com o revólver Taurus .32 e, em determinado momento, fez seis disparos em direção à vítima. Somente dois tiros atingiram Edson. Um deles foi no lábio superior e o outro nas costas. Mesmo ferido, o sorocabano caminhou alguns metros até cair de um barranco. O corpo dele ficou em frente à uma residência.

Os proprietários do imóvel ouviram gritos por socorro e saírem do imóvel. Eles avistaram a vítima ensanguentada e agonizada. A dupla tentou saber da vítima o que havia ocorrido, no entanto, segundo eles, o homem apenas pedia para ser socorrido. Eles acionaram o Samu, porém, ao chegarem ao local, os socorristas constataram que o homem havia falecido.  

O acusado também contou aos policiais onde havia escondido o revólver usado para o crime. A arma estava enterrada num matagal, próximo à casa dos irmãos, localizada no bairro Campininha. O adolescente mais velho disse aos policiais que não participou do assassinato, apenas viu o seu irmão caçula fazendo os disparos contra Edson. Ele foi arrolado como testemunha no processo.

Comentários

Meus Deus esse mundo está perdido 14 anos e já matou um homem.

Comentar