Mudança em imóvel de Tadeu é feita com recursos públicos

Em horário de serviço, funcionários descarregam mudanças de médicas que alugaram imóvel da família do prefeito (Foto: Divulgação)

Na manhã da última quinta-feira (1), os moradores do Residencial Torre do Sol foram surpreendidos por uma cena inusitada. Por volta das 8h, um caminhão pertencente à Prefeitura parou em frente ao prédio. Do veículo, desceram funcionários da municipalidade, os quais – em pleno horário de serviço – descarregaram uma série de materiais em um apartamento do primeiro andar do conjunto. O imóvel pertence à família do prefeito José Tadeu de Resende (PSDB), que também é sócia do empreendimento imobiliário.

A cena foi fotografada por um leitor da Folha de Piedade, que enviou as imagens à reportagem. “Achei muito estranho, pois o Tadeu quer falar em responsabilidade na gestão, mas usou de mão de obra e recursos pagos com dinheiro público para cuidar de uma questão aparentemente particular”, desabafou o denunciante, que pediu para não ser identificado.

Questionada sobre o assunto, a Prefeitura admitiu que o caminhão e os servidores realmente estiveram no Torre do Sol, em horário de expediente, para transportar eletrodomésticos e utensílios para duas locatárias do imóvel pertencente à família Resende.

Na visão do Município, não houve irregularidade na situação. “Todo o material transportado é patrimônio municipal, mais especificamente pertencente à Secretaria de Saúde e se destinam a prover situações como essa. O serviço não era de cunho particular, por isso a estrutura municipal foi utilizada”, alega a nota enviada pela Assessoria de Imprensa.

 

"O Tadeu quer falar em responsabilidade, mas usou de mão de obra e recursos pagos com dinheiro público para cuidar de uma questão aparentemente particular", denunciante

 

Locado com dinheiro público – De acordo com a Administração, o apartamento foi alugado por médicas cubanas integrantes do programa Mais Médicos. O contrato, segundo a resposta, foi firmado entre as mulheres e o filho do prefeito, Thadeu Moreni de Resende.

O programa Mais Médicos estabelece que despesas com moradia e alimentação dos profissionais devem ser bancadas pela Prefeitura, com repasses vindos do Governo Federal. A Lei nº 4369, de 12 de março de 2015, permite ao município pagar R$ 1.703,37 a cada um dos médicos. Com esse valor, os doutores podem pagar pelo aluguel dos imóveis onde escolheram morar.

No caso mostrado nesta matéria, o dinheiro pago às duas médicas, pela Administração, inevitavelmente retorna aos cofres da família Resende.  

 

Comentar