“Nunca vi tanto buraco junto!”

26 de janeiro – O Jornalzão quer saber por qual razão a gente não tapou todos os buracos da estrada. Vai tapar de que jeito? Falta piche e é buraco pra mais de metro, nunca vi coisa igual. Já avisei o Jadeu: tira o escorpião do bolso da Prefeitura e vamos recapear todas as estradas. Se ele fizer isso, a próxima eleição tá no papo. E tô quebrando a cabeça, também, para sugerir uma alternativa. Caso não tenha dinheiro pra fazer recape, peço pro meu pai imprimir uns adesivos em 3D, daqueles que imitam asfalto. Pelo menos umas fotos boas, para o informativo de governo, já vai dar pra fazer.

 

27 de janeiro – Não teve acordo, o grupo dos aposentados mandou meu sogro, Bube Esponja, de volta para cá. Baniram ele, em definitivo, da pousada em Termas de Santa Bárbara. O cara apronta demais, meu! Falar pra você, agora eu tô lascado de vez! Saí à noite pra relaxar tomar meu uísque. Mandei logo uns três, pra acalmar os nervos.

 

28 de janeiro – Sogrão veio almoçar em casa, deu uma dormida no sofá, roncou pra cacete e até assustou a criançada. Depois, acordou e pediu a chave do Camaro. Disse que era para fiscalizar como anda o tapa-buraco nas estradas. Negativo! Expliquei pra ele que tá tudo sem piche. Vai passar com o carro nessa buraqueira de que jeito? Acaba com meu Camaro, sai fora!

 

"Manda quem pode, obedece quem tem esposa em casa e sogro na Prefeitura"

 

29 de janeiro – Já vi tudo: essas férias do Jadeu são só pra inglês ver. Cara, do céu, o véio não dá folga. Dia inteiro passando na Prefeitura, telefonando, fiscalizando funcionário. Agora inventou de participar da audiência de segurança pública. Meu, vai descansar, vai pescar, jogar dama, sei lá. Fica só enchendo o saco e não larga o osso. Vou fazer igual ao Michel Treme e mandar uma cartinha falando que eu em sinto um vice decorativo. Pior é esse tal de Manoé, que foi da guarda no passado. Que baita mala, cheio de querer falar difícil! A gente, que é simprão, não tá acostumado com uns tipos como ele. E o Jadeu adora o cara. Só podia...

 

30 de janeiro – Quando digo que é dose lidar com o Bube Esponja, a turma fala que eu tô exagerando. Mal mandamos a Hortaliça Helena embora da Agricultura e o sujeito já colocou as asinhas de fora. Disse conhecer um tal de Ertão, que é bom pra caramba, entende do assunto e tudo mais. Tive que acatar, né? Senão, depois, sou eu quem escuto e aguento cara feia. Manda quem pode, obedece quem tem esposa em casa e o sogro na Prefeitura. Hoje vou ter que tomar um uísque! Aliás, uns dois!

 

"Não quero saber de governo, só tô pensando no carnavalzão"

 

31 de janeiro – Hoje não quis saber de muita coisa do trabalho, não. Meu foco foi o carnavalzão que vem chegando. Parece que meu amigo de Pilar vai trazer uns shows da hora. Além de fechar um camarote com muito uísque e energético, eu e uns amigos estamos pensando em formar um bloco: Unidos da Irmandade. Vai ter eu, Cai o Mar Morto, Coiso da Cultura, Morton, pessoal da Santa Casa e, até mesmo, uns “avulsos” como o Gohan do Governo da Tina e o Gerabodinho. Quem sabe não rola brecha para uma dobradinha em 2020, né?

 

1 de fevereiro – Adivinha quem já tava enfiado na Prefeitura, hoje? Jadeu, é claro! O bicho é fogo. E não vem sozinho, não. Traz o filho, a nora, Jaca, e a esposa. Todo mundo mandando e desmandando. Fiquei de ouvido ligado e escutei alguém pedindo para o caminhão do Município levar uns negócios para o predinho do Jadeu, lá no bairro da Torre. Ouvi alguma coisa sobre cubanos, ou algo assim. Gozado, eles não são anticomunistas? Acho que isso vai dar rolo!

 

 

Comentar