Passando a Limpo

Nunca mais voltou
Quando o secretário de Serviços Públicos, Godofredo “Bube” Werner foi à Câmara Municipal dar explicações sobre a coleta de lixo, em 12 de março, combinou-se que ele voltaria à Casa de Leis para falar dos problemas nas estradas rurais. O tempo passou e, ao que parece, o compromisso caiu no esquecimento. Bube não retornou ao Legislativo e nenhum vereador fez nova convocação do secretário, até o momento.

 

 

Fogo de palha
Por falar em nossa vereança, alguns parlamentares chegam a ensaiar alguns procedimentos de apuração de denúncias e fiscalização do Executivo. Porém, passada a empolgação inicial, esse trabalho é, invariavelmente, deixado de lado.

 

Tudo dominado
Por conta dessas e outras que, na avaliação de alguns observadores políticos, o prefeito José Tadeu de Resende (PSDB) tem governado sem oposição.

 

Pedrinha no sapato
Por outro lado, no campo dos discursos, Tadeu e sua equipe levam uma coça em quase todas as sessões. Na segunda-feira (23), o vereador Adélcio de Jesus (PSB) voltou a cobrar providências em relação à Ceabasp (Central de Abastecimento de Piedade). Segundo ele, o potencial agrícola do município permitiria a Piedade ter um entreposto referência na região. “Porém, ficamos atrás de Votorantim e Sorocaba, por conta da falta de planejamento por parte da Prefeitura”, vociferou.

 

Hora da verdade
Aproxima-se o período de eleições para presidente, governador, senador e deputados. No caso dos parlamentares, muita gente quer saber para quem o prefeito Tadeu, seu vice, Junior JK (DEM) e os vereadores irão trabalhar. Há dúvidas se eles apoiarão candidatos de seus respectivos partidos, ou darão prioridade àqueles que, por ventura, trouxeram emendas a Piedade.

 

Vai rolar?
Encontra-se a todo vapor as obras de construção da praça de eventos do Terminal Rodoviário Artur Hess. A Prefeitura, em seus releases e comunicados, demonstra entusiasmo com a iniciativa. Paira a dúvida, todavia, sobre a obtenção do famigerado alvará do Corpo de Bombeiros para realização do evento no local.

 

 

Luta de classes
Na última sessão, os vereadores Daniel Dias de Moraes (PSB) e Alex Silva (PTB) questionaram a Prefeitura a respeito de empreendimentos imobiliários às margens da represa de Itupararanga. Os parlamentares também colocaram em xeque o tratamento dispensado aos munícipes de acordo com a classe social. “Uma pessoa não pode construir na Vila Moraes, por se tratar de loteamento clandestino, mas casas de alto padrão na represa estão liberadas?”, indagou Dr. Daniel.

 

 

Frase da semana
 “O prefeito pensa em construir portal, praça de eventos, mas não investe em um lugar decente e organizado para o agricultor vender sua produção”, Adélcio de Jesus, sobre a eterna polêmica da Ceabasp.

Comentar