"Plantando Águas" de Piedade disputa prêmio internacional

Ações na zona rural do município incluíram implantação de fossas biodigestoras, jardins filtrantes e cloradores
O projeto “Plantando Águas”, desenvolvido em Piedade pela ONG (Organização Não Governamental) Iniciativa Verde, está entre os três finalistas da 4ª edição do Prêmio Latinoamérica Verde 2017. Patrocinado pela Petrobras, o projeto integra, entre outras ações, tecnologias sociais da Embrapa Instrumentação destinadas ao saneamento básico rural e ao tratamento de água, como a fossa séptica biodigestora, o jardim filtrante e o clorador Embrapa.
 
O prêmio ao vencedor será entregue no Equador, entre os dias 22 e 24 de agosto. Para o chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa, Wilson Tadeu Lopes da Silva, responsável pelas ações de saneamento básico, “só o fato de compor o projeto finalista de um prêmio latino-americano já mostra a grande capacidade de adoção das tecnologias pela sociedade, bem como a importância de bons parceiros, como a Iniciativa Verde, no trabalho de divulgação, capacitação, instalação e acompanhamento de ações em saneamento básico rural, que são fundamentais para que o serviço seja universalizado no País”, diz.
 
Roberto Resende, presidente da ONG que atua na melhoria dos serviços ambientais, como biodiversidade, água e qualidade do ar, também reforça as ações em parceria. Para ele, a indicação é importante não apenas pelo reconhecimento do trabalho da Iniciativa Verde, mas também pela importância das atividades com parcerias diversas e de reunir temas que compõem várias faces da adequação ambiental, da floresta ao saneamento.
 
Ações relevantes
 
Além de apontar os três melhores colocados de cada uma das dez categorias alinhadas aos ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável), uma agenda mundial adotada durante a Cúpula das Nações Unidas, em setembro de 2015, o prêmio também divulga os 500 projetos sociais e ambientais mais relevantes inscritos.
 
Os representantes dos projetos têm a oportunidade de apresentar suas iniciativas ambientais para os investidores sociais, aceleradores e partes interessadas. Em 2016, foram quase 1.500 projetos de 25 países. Tendo como um dos patrocinadores o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), o prêmio recompensará organizações de toda a América Latina com projetos nas categorias água, florestas e flora, biodiversidade e fauna, desenvolvimento humano, inclusão social e redução da desigualdade, energia, finanças sustentáveis, gestão urbana, manejo de resíduos sólidos, oceanos e produção e consumo responsável.
 
O projeto brasileiro concorre na categoria água. Entre os requisitos exigidos para disputar nessa categoria estão ações que protejam ou recupere ecossistemas relacionados a este recurso, como montanhas, zonas úmidas ou rios; programas que garantam a disponibilidade de saneamento para as comunidades urbanas ou rurais e intervenções destinadas ao tratamento de água cinza. Todas essas premissas das tecnologias sociais integram o projeto “Plantando Águas”.
 
Sustentabilidade
 
O projeto Plantando Águas, realizado entre 2013 e 2015, em Piedade e outros sete municípios paulistas, contou com 20 instituições parceiras e beneficiou diretamente cerca de 160 famílias de assentamentos de reforma agrária, bairros rurais e comunidade remanescente de quilombos.
 
Com a proposta de cuidar da água de maneira global, mas usando tecnologias sociais que impactam diretamente a qualidade de vida do morador do campo e de toda a população urbana que depende dessa água, o projeto incluiu a educação ambiental, a instalação de tecnologias sociais, a realização de oficinas, o plantio de árvores nativas e de agroflorestas em áreas degradadas.
 
A Embrapa Instrumentação apoiou com capacitação para a instalação de 135 tecnologias, sendo118 unidades da fossa séptica biodigestora, 15 jardins filtrantes e dois cloradores em Piedade, Itapetininga, Iperó, Porto Feliz, São Carlos e Salto de Pirapora. Em São Carlos também foram instaladas 44 fossas e seis jardins em dois assentamentos urbanos e três sítios.
 
A preocupação dos organizadores do Prêmio Latinoamérica com projetos sociais é devido às contradições do continente. Ao mesmo tempo em que a América Latina possui 23% das florestas tropicais, 31% dos recursos hídricos e 70% da biodiversidade do planeta, concentra o maior crescimento urbano desordenado. Cerca de 80% dos latino-americanos vivem em cidades desestruturadas, causando pressão sobre o meio ambiente e, por isso, causando desmatamento, perda da biodiversidade e poluição da água.

Comentar