Polícia quebra biqueira no Bom Pastor

Grande quantidade de drogas e dinheiro apreendidos com os acusados (Foto: Polícia Civil)

Uma ação de inteligência promovida pela Polícia Civil levou à prisão de duas pessoas, acusadas de tráfico de drogas, na tarde de terça-feira (6). O caso ocorreu no bairro Bom Pastor e culminou na apreensão de 25 trouxinhas de maconha, 30 flaconetes de cocaína, 52 pedras de crack, dois telefones celulares e R$ 854,40 em notas diversas. 

Foram indiciados: um servente de 19 anos e um desempregado de 23 – atualmente cumprindo pena em liberdade condicional. Um rapaz de 18 anos, suposto “olheiro” dos criminosos, também foi detido, porém, acabou liberado por falta de provas. Ainda assim, ele será investigado por participação no comércio ilícito.

De acordo com o boletim de ocorrência, o local onde ocorreram as detenções é alvo de diversas denúncias de tráfico e fica a poucos metros de uma creche municipal. “A venda de drogas ocorre nas ruas, em meio a crianças e moradores que nada podem fazer a respeito, verdadeiros reféns dos traficantes”, diz o relatório da Polícia Civil.

 

Estratégia – Na ação, os policiais utilizaram uma câmera oculta, com alto poder de zoom. Posicionado de forma estratégica, o equipamento registrou toda a movimentação dos acusados, que se revezavam na venda dos entorpecentes a indivíduos que chegavam ao local a pé, em motocicletas e automóveis.

As imagens mostraram que, antes de servir a “clientela”, os acusados apanhavam a droga em sacola escondida atrás de um muro, ao pé de uma árvore. Durante todo esse tempo, o adolescente movimentava-se pela rua, aproximavam-se dos autuados, dizia algo e, em seguida, se distanciava. Segundo os policiais civis, essa seria uma nítida demonstração de que fazia a vigia do local.

Após colher imagens comprobatórias do crime, a equipe da Polícia Civil fez a abordagem dos indivíduos. Um dos agentes foi ao local onde a sacola com entorpecentes era escondida pela dupla. No invólucro, estavam as mencionadas porções de maconha, crack e cocaína.  O tóxico estava embalado e pronto para a venda e consumo. Também havia, ali, o dinheiro apreendido com os indiciados.

 

 

Comentar