Produção integrada melhora qualidade e mercado de morangos

Especialista da Embrapa compartilhou experiências e deu orientações

Produtores de todo o município estiveram no Anfiteatro Orestes Romano, na última quinta-feira (14), para conferir palestra sobre a Produção Integrada de Morango. Parte de programa coordenado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o módulo foi ministrado pela engenheira agrônoma da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) Meio Ambiente, Fagoni Fayer Calegario.

O objetivo da iniciativa foi racionalizar o uso de agrotóxicos, estimular o equilíbrio do ecossistema e manter a qualidade e a segurança dos produtos – convertendo o sistema de plantio do convencional para o sustentável e tornando a produção passível de certificação chancelada pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia).

“Este é um projeto de extrema importância para garantir a certificação do nosso produto, agregando valor ao morango produzido em Piedade”, declarou o vice-prefeito, Junior JK (DEM), na abertura do evento. O diretor de Agricultura, Elton dos Santos, por sua vez, lembrou que alguns produtores já se dedicam a esse tipo de cultivo. “Não é impossível”, comentou.

A palestrante da Embrapa afirmou aos presentes, que a Produção Integrada se faz necessária diante do novo perfil do consumidor: mais exigente em sua busca por qualidade. No caso dos morangos, ela mencionou os reiterados casos de propaganda negativa divulgados pela mídia, colocando o alimento como campeão na contaminação por agrotóxico. “Uma vez, o Fantástico veiculou uma matéria sobre o tema e, no dia seguinte, os produtores de Atibaia, onde eu trabalhava, choraram. Eles não venderam uma bandejinha, sequer, no Ceagesp (Centro de Entrepostos e Abastecimento de São Paulo).

A estratégia apresentada por Fagoni foi de utilizar predadores naturais, os ácaros na plantação. De acordo com ela, não se pode eliminar todos os ‘bichinhos’ que aparecem na produção, visto que muitos não são nocivos. “É fundamental saber monitorar a praga. Existe nível de danos e nível de equilíbrio”, explicou. “Surgiram cinco ácaros por folha? Coloca água que afugenta. O ácaro predador come o ácaro rajado, fica satisfeito e vai embora sem atacar o morango”, pontuou a especialista, para fazer o adendo: “Apenas em último caso utilize agrotóxico. Ainda assim, aplique um produto seletivo, use a proteção e respeite o período de carência”.

“Vocês precisam acreditar na ciência. A Embrapa vende ideias fundamentadas”, afirmou. “Cuidado com o que tentam te empurrar, quando utiliza acaricidas não seletivos na plantação, o produtor joga dinheiro fora”, destacou.

Além do manejo de pragas, a palestrante falou a respeito da importância de processos bem feitos de adubação e irrigação.

“O objetivo final é oferecer ao consumidor um produto de qualidade, saudável, com sabor e sem agrotóxicos. Pelo que conheço de Piedade, vocês têm todas as condições de aplicar isso em suas lavouras. Já há produtores locais que têm sucesso nessa empreitada”, afirmou Calegari. Ainda de acordo com ela, quem completa o treinamento da Embrapa pode ser auditor de plantações e conseguir o selo de qualidade do ministério da agricultura.

 

Comentar