Tadeu diz que “forçou a barra” para fechar escola do Piratuba

Em novembro de 2017, Tadeu e Felipe Campanholi foram hostilizados por comunidade do Piratuba, por decisão de fechar escola (Foto: Arquivo)

Em cerimônia de inauguração da escola Paschoal Viscontti, nesta quarta-feira (13), o prefeito José Tadeu de Resende (PSDB) admitiu que não mediu esforços para fechar a escola Maurício França, localizada no Piratuba. A mencionada unidade de ensino foi desativada ao final do ano letivo de 2017 e seus alunos remanejados à Paschoal Viscontti, contra a vontade dos pais.

“Houve muita pressão popular, protestos da comunidade, mas nós forçamos a barra e, com apoio da maioria dos vereadores, conseguimos fechar aquela escola”, revelou Tadeu.

Ainda de acordo com o prefeito, a EMEF Maurício França era para ter sido fechada há três governos. “Não aconteceu, mas temos de fazer as coisas corretas. Aquela escola era um espaço limitado, numa propriedade que não era nossa”, explicou o prefeito, justificando que a Administração não pode efetuar melhorias em imóveis cedidos via comodato. “Ficou evidente a ilegalidade que cometeríamos. Além disso, naquele local era impossível dar este mesmo tipo de estrutura aos alunos”, completou.

Um dos pontos mais polêmicos do discurso foi o momento em que Tadeu fez acusações aos pais de estudantes da escola do Piratuba. “Este prédio tem acessibilidade, foi melhorado e dá dignidade a essas crianças cujos pais foram tão contrários à construção e reforma desta unidade de ensino”, declarou.

 

Leia também:
Após reforma, escola Paschoal Viscontti é inaugurada
Prefeito critica ensino no regime militar: “Tínhamos medo”

Comentar