Vereadores divergem sobre a função do parlamentar

Parlamentares não se entendem sobre o papel do vereador

Você sabe qual é o verdadeiro papel do legislador? Se você não sabe, não se preocupe, pois, os vereadores da Câmara de Piedade também se divergem sobre a real função do parlamentar. Na sessão do último dia 22, alguns deles usaram a Tribuna Livre para justificarem o modo de trabalhar. E ouve conflitos, mesmo depois de quase dois anos do mandato da atual legislatura.

Para o presidente da Câmara, Nelson Prestes de Oliveira (PSD), o Camarão, reeleito em 2016, o vereador precisa estar acompanhando o trabalho do prefeito, secretários e diretores. “Eu sou chato, estou em cima do Tadeu quase todos os dias. Tem até alguns funcionários públicos que estão incomodados com isso, mas é minha obrigação cobrar”, proclamou. Segundo alguns observadores, Camarão, mesmo sendo presidente do Legislativo, passa a maior parte do tempo na Prefeitura. “Ele chega cedinho e vai ao gabinete do Tadeu. Ele não dá trégua ao prefeito. Por outro lado, Camarão usa desse expediente para trazer os problemas da população ao conhecimento do prefeito”, disse um funcionário público ligado ao Executivo, mas que não quis se identificar.

Da mesma forma age o vereador Zé Anésio (PP), contudo de uma maneira mais dinâmica. O progressista faz questão de estar presente nas obras e serviços públicos executados pela Prefeitura na zona rural. “Acompanho os serviços, principalmente dos tratores da Casa da Agricultura. Eu vou no gabinete para pedir. Temos que ser participativo”, concluiu Zé Anésio. Apesar de não detalhar o seu trabalho, Alex Silva (PTB), também revelou: “Eu me dedico 100% à vereança”.

Por outro lado, o parlamentar Maurinho (PT), reeleito em 2016, discordou dos discursos dos colegas. Para ele, o vereador tem a obrigação de ficar no Legislativo e não no Executivo. Maurinho assegurou que cabe ao legislador fiscalizar o governo municipal, criar projetos de leis e discuti-los da maneira legal e política, além de desenvolver proposituras. “Eu trato as questões públicas aqui na Câmara, seja através de requerimentos, indicações e discussões na Tribuna Livre”, explicou. “Se o vereador fica muito próximo do prefeito, de que maneira ele irá fiscalizar a administração? Não tem como, ainda mais quando o Executivo faz tudo que o parlamentar pede”, ironizou. Ele lembrou também que boa parte da população desconhece as funções do legislador. “É comum as pessoas pedirem ao vereador que mandem máquinas, pedras, enfim, mas isso não é a nossa função. O vereador não manda, ele apenas pede ao Executivo”, finalizou.

Comentar