Visitante acompanha produção de cerveja, leite e orquídeas

Além dos sítios da família Enokizono e de Iracy e do Rancho Alegre, diversas propriedades agrícolas piedadenses estão se preparando para aderir ao agroturismo. De acordo com a Diretoria Municipal de Turismo, pelos menos três projetos estão bem adiantados e já funcionam experimentalmente. Outros empreendimentos planejam adequar as suas estruturas para também diversificar as suas fontes de renda, entre eles a Flora Fujimaki e Águas Klarina.
 
Cerveja na fonte
 
Quem não resiste a uma autêntica “loira germânica gelada” tem de colocar o Sítio Moriá no seu roteiro de lazer. A propriedade de sete alqueires, localizada no bairro Piratuba, é a casa da Moriá Beer Cerveja Artesanal e também sedia um projeto inédito de esgotamento sanitário rural. O local possui hortas orgânicas, fossa séptica biodigestora e utiliza filtro para aproveitamento da água cinza na irrigação do jardim. 
Por enquanto, o casal Nádia Novaes e Ademir Gregório abre as porteiras gratuitamente aos clientes da cervejaria, mas, em breve, oferecerá pacotes completos, com refeições, passeios e estadia para grupos a partir de 20 pessoas. As opções incluirão café colonial, almoço caipira, produtos da roça, além, é claro, de cervas para todos os gostos. Quem preferir alongar o programa contará com dois apartamentos.
 
Leite da vaca
 
O Sítio Toca da Onça, localizado no bairro Bento Ruivo, se dedica à criação de gado de corte e leiteiro, porém é mais conhecido pelas festas juninas que sua proprietária, Albertina Riskala Canales, promove há 10 anos. Também entusiasta do turismo como forma de agregar valor à produção, ela está investindo na reestruturação para abrir as cocheiras ao público. 
 
Atualmente, Albertina recepciona pequenos grupos para visitação. Em breve, as pessoas poderão conhecer todo o processo de produção de leite e derivados durante um passeio interativo, incluindo a ordenha de vacas. Também está previsto um café da manhã à base de derivados de leite produzidos no local.
 
Segredo das orquídeas
 
Uma das atrações do agroturismo no bairro Ortizes é o Orquidário AmaFloral. O engenheiro aposentado Osmar do Amaral transformou 750 metros quadrados de estufas no “paraíso” dos orquidófilos. No espaço estão cerca de 5 mil plantas de dezenas de espécies, inclusive algumas raras, resgatadas pelo pai do proprietário, muitas décadas atrás, durante a abertura de estradas no Vale do Ribeira.
 
Nos passeios agendados e reservados a pequenos grupos de adultos, o especialista explica as características de cada planta, ensina a cultivá-las e esclarece dúvidas sobre substratos, reprodução, ambientação e outros assuntos que tiram o sono daqueles que ainda não dominam a técnica. O custo do passeio é combinado caso a caso.

Comentar