Vou pedir intervenção!

16 de fevereiro – A gente sai de férias, confia no vice e o cara sai fazendo promessa a torto e a direito. Depois, sobra para mim o abacaxi. O Vice Meninão ficou de arrumar uma tal estrada, não deu certo e agora o Sitezão (que antes era Jornalzão) quer saber o porquê. Mandei encaminhar as perguntas pro Bube Esponja, mas o Trump sem peruca tá cada dia mais rebelde e avisou que não vai responder é nada. Eu acho que vai dar rolo. Já dizia aquele blogueiro policial de Sorocaba: “A imprensa existe para satisfazer os aflitos e afligir os satisfeitos”. Ou seja, vem bucha por aí.

 

17 de fevereiro – Passei o sábado articulando com os vereadores para que aprovem logo do projeto de IPTU no sítio. A gente precisa arrecadar, cê tá entendendo? Quanto mais dinheiro entrar nos cofres públicos para eu não investir em nada, apenas economizar e acumular, melhor. Recapeei o asfalto perto da casa do Crustáceo e mandei um caminhão de pedra para o Professor Samumé. Tem uns lá que já tão comigo e não preciso me preocupar, pois sempre vão fazer o que eu mando. Irmão Totalflex Silva, Zé Amnésio, Karateguinho, Tchutchuca. O meu bando tá crescendo!

 

18 de fevereiro – Hoje eu dei um golpe de mestre! Convenci dois vereadores que apoiaram o Gerabodinho a vir para nossa base. Boyzinho Bisnaga e Pito Alaga Há Anos fecharam comigo. Mais tarde, após muito xaveco, também consegui trazer a Malir Carismática e o Dr. Gadiel Danos Moraes. Chupa essa manga, Bacalhau! Aqui a ossadura é forte, Gerabodinho! Agora é torcer pro Trump cumprir com tudo o que tivemos de prometer para conseguir esses votinhos.

 

19 de fevereiro – IPTU no sítio aprovado. Nossa firma é forte, cê tá entendendo? De agora em diante vai ser assim. Chega de Jadeuzinho Paz e Amor. Tô voltando à velha forma. É o fim do Piaget e início do bom e velho Pinochet.

 

20 de fevereiro – Rapaz, como eu tô levando bordoada nesse tal fecebúquis! Todo mundo sentando o sarrafo. Tão falando, até, que a Tina – minha antecessora – era boa. Negócio é o seguinte: pra aprovar esse projeto, as estradas tinham que estar um tapete. Tinha que ser melhor que os asfaltos que eu projetava quando era engenheiro. O problema é que a coisa ficou na mão do Bube Esponja. Agora, tão me acusando de cobrar IPTU num sitião abandonado. Não que seja mentira, mas...

 

21 de fevereiro – Recebi um relatório do Serviço Secreto. Parece que o povo começou a pedir a cabeça do Trump sem peruca. Aí, lascou! Acham que eu não quero isso? Eu sou a pessoa que mais deseja tirar esse peso morto da Prefeitura. Minha vida seria uma paz! Só que tem um problema: o meu vice já avisou que, se o sogrão for exonerado, dá divórcio na casa dele. Então, é complicado!

 

22 de fevereiro – O Cai o Mar Morto veio falar comigo, todo meloso. Adivinhem o que ele queria? Fazer aquela barulheira de révis métaus na festa do caqui, obviamente. Desta vez, acho que não vou deixar. A gente vive uma crise sem precedente, com 17 bilhões de desempregados. É herança maldita de um governo populista-socialista-taxista-petista-Amado Batista, cê tá entendendo? Vamos trazer atração cara, numa recessão dessas? Por mim, chama um violeiro, um cantor de cururu, um japonês de videokê e, pra não falar que ignorei os jovens, bota aqueles peruanos que tocam flauta na rua de vez em quando. Os caras são bons e têm um repertório para todos os gostos.

 

23 de fevereiro – Negócio é o seguinte: do jeito que a coisa vai, eu acabo sofrendo um impeachment. É muita impopularidade. Todo dia tem reclamação de estrada, sem que o Bube Esponja tome providência. Penso seriamente em seguir o exemplo do Rio de Janeiro e pedir ao presidente Treme uma intervenção na Garagem. Debaixo de Botinada, quero ver o povo não trabalhar!

Comentar